Ligue-se a nós

Sociedade

Miradouro e passadiço em S. Simão é “um exemplo emblemático de sinergias e estruturação da oferta turística”

Os passadiços de madeira e o trilho ancestral que liga à aldeia estendem-se por uma área de cerca de dois quilómetros.

Publicado

em

Passadiço Fragas de S. Simao
Foto: Passadiço / Facebook Município de Figueiró dos Vinhos

A secretária de Estado do Turismo considerou o projeto integrado na Aldeia de Xisto de Casal de São Simão como “um exemplo emblemático de sinergias e estruturação da oferta turística” ao longo do território.

Durante a inauguração do miradouro e passadiço, Rita Marques considerou que “estamos continuamente preocupados em melhorar a reestruturação da nossa oferta, de estimular a procura, mas a procura só vem se tivermos uma excelente oferta, requalificando-a de forma transversal e alinhando várias vontades”.

Miradouro Fragas de S. Simão

Foto: Miradouro / Facebook Município de Figueiró dos Vinhos

Para a governante, “é muito importante ter projetos âncora, que têm de estar interligados de forma a construir uma narrativa comum, que é um desiderato que existe para manter uma certa permanência do turista nas diversas regiões e em Portugal como um todo”.

“O turismo tem de ter uma extrema preocupação em apoiar projetos sinérgicos, que resultem de várias vontades, mas que conseguem materializar-se num único desejo”, frisou a governante, que falava após a inauguração do projeto de valorização turística do Casal de S. Simão.

O município de Figueiró dos Vinhos investiu cerca de 400 mil euros, comparticipados pelo Programa Valorizar, na construção de um miradouro, passadiços em madeira e requalificação de um antigo caminho ancestral.

O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos, um dos concelhos fortemente afetados pelos incêndios de Pedrógão Grande de 2017, salientou que a concretização deste projeto permite ligar três polos de atração turística: o miradouro, uma praia fluvial e uma aldeia de xisto, “num único produto que criou sinergias”.

De acordo com Jorge Abreu, os passadiços de madeira e o trilho ancestral que liga à aldeia estendem-se por uma área de cerca de dois quilómetros, estando já em execução uma segunda fase que contempla a construção de mais um quilómetro de passadiços a partir da Ermida de São Simão, num investimento superior a 100 mil euros.

.

Recomendado




Recomendado




POPULARES