Ligue-se a nós

Cinema

Ma Rainey: A Mãe do Blues – Ou Levee, o trompetista

“A produção tem a capacidade de nos levar imediatamente para a América de 1927, com cenários, guarda-roupas e interpretações exemplares”.

Publicado

em

Ma Rainey
Foto: Ma Rainey / Facebook Ma Rainey Film

Título: Ma Rainey: A Mãe do Blues
Realizador: George C. Wolfe
Ano: 2020
Classificação Notícias de Leiria: 7/10 brisas do lis

Viola Davis é Ma Rainey, a “Mãe dos Blues” e Chadwick Boseman é Levee, um ambicioso trompetista. Dois possíveis candidatos aos Óscares, na longa-metragem da Netflix.

O filme retrata um dia de gravações em estúdio, intercalando o destaque entre Ma Rainey e os quatro membros da sua banda. À medida que a tensão aumenta, os egos chocam e as discussões multiplicam-se com resultados dramáticos.

Sendo uma adaptação de uma peça de teatro, Ma Rainey: A Mãe do Blues tem claros limites temporais e espaciais, recorrendo a longos diálogos e, principalmente, a monólogos para transmitir a identidade das personagens e os seus contextos raciais, sociais, culturais e religiosos. A produção tem a capacidade de nos levar imediatamente para a América de 1927, com cenários, guarda-roupas e interpretações exemplares. A música é uma parte importantíssima desta viagem, trazendo maior variedade e ritmo a um filme que rapidamente se tornaria desinteressante.

A muito aclamada última interpretação de Chadwick Boseman “rouba” protagonismo à personagem principal e o argumento centra quase toda a ação em torno de Levee. No final, fica a vontade de ver mais a Ma Rainey da brilhante Viola Davis. Mais cenas que completem a personagem no imaginário do público atual, que contem a sua história com maior detalhe e que valorizem tudo o que ela conseguiu alcançar.

Veja aqui o trailer:

Filipa Reis sempre foi apaixonada pelas imagens do grande ecrã e também do pequeno. É consumidora assídua e ávida de longas-metragens, documentários, séries e livros. Licenciou-se em Comunicação Social, pela Escola Superior de Educação de Coimbra. Depois de estagiar na ESEC TV, foi assistente de produção no programa Câmara Clara da RTP. Em 2013, iniciou uma nova fase profissional, na LUA Filmes, onde se mantém até hoje como produtora.

POPULARES