Ligue-se a nós

Sociedade

Bloco de Esquerda chama autarcas e ministros ao Parlamento para avaliar despoluição do Rio Lis

Um ano depois da publicação do Despacho que autorizava a AdP Energias a realizar estudos técnicos e económico-financeiros, o Bloco de Esquerda pretende saber o que foi feito.

Publicado

em

Descarga Rio Lena
Foto: Facebook GNR - Comando Territorial de Leiria

O Bloco de Esquerda requereu uma audição com os vários intervenientes na despoluição da bacia hidrográfica do Lis.

A audição propõe ouvir o representante da Comissão de Ambiente e Defesa da Ribeira dos Milagres, dos presidentes das Câmaras Municipais da Batalha, Porto de Mós, Marinha Grande e Leiria, do presidente do Conselho de Administração do Grupo Águas de Portugal, do ministro do Ambiente e da Ação Climática e da ministra da Agricultura.

Em comunicado, os bloquistas afirmam que o “Lis e os seus afluentes são hoje o destino de descargas ilegais de resíduos das centenas de suiniculturas existentes na região. É comum, nas linhas de água, a presença de dejetos, restos de alimentação animal, resíduos resultantes de lavagem e limpeza de infraestruturas e, por vezes, até de animais mortos”.

Os problemas de poluição na bacia hidrográfica do Lis arrastam-se há mais de 20 anos e têm-se agravado recentemente com a intensificação da produção de suínos na região.

“Não existem estações de tratamento adequadas e capazes de processar o volume diário de efluentes suinícolas produzidos nos concelhos da bacia hidrográfica do Lis”, aponta o Bloco de Esquerda.

Na sequência da Resolução da Assembleia da República n.º 144/2018 (que recomenda ao Governo “a construção, em Leiria, de uma estação de tratamento de efluentes suinícolas de gestão pública”, que “inclua a Águas de Portugal, S. G. P. S., S. A., e as autarquias), foi publicado o Despacho n.º 6312/2019, de 10 de julho, um despacho conjunto entre o ministro do Ambiente e da Transição Energética e o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

O despacho autoriza a “AdP Energias — Energias Renováveis e Serviços Ambientais, S. A. (AdP Energias), a realizar os estudos técnicos e económico-financeiros, designadamente a preparação de uma proposta de contrato de concessão, necessários à criação de um novo serviço público destinado ao tratamento e à valorização dos efluentes agropecuários e agroindustriais”. E para iniciar este trabalho, determina ainda a autorização de uma transferência do Fundo Ambiental para a Águas de Portugal até 1 milhão de euros. O despacho em causa prevê ainda o envolvimento dos municípios.

.

Recomendado




POPULARES